Digite aqui o seu e-mail e passe a receber a programação cultural GRATUITA do Rio de Janeiro

Programação Infantil - Teatro - Musica - Recreação e muita alegria!

______________________________________________________

Teatro dos Quatro – Shopping da Gávea
Sítio do Picapau Amarelo

Espetáculo teatral infantil com adaptação da obra de Monteiro Lobato é homenagem aos 40 anos da primeira exibição da série na TV


O Sítio do Picapau Amarelo, série de livros infantis do escritor brasileiro Monteiro Lobato, virou um clássico aclamado mundo afora. Os personagens saltaram das páginas dos livros para os quadrinhos, foram parar na TV e, agora, chegam em espetáculo teatral infantil no Teatro dos Quatro, no Shopping da Gávea, com estreia no dia 04 de novembro, sábado, às 17h. A peça ganha temporada de quatro meses em uma grande homenagem aos 40 anos da primeira exibição do Sítio do Picapau Amarelo, na TV Globo, celebrada neste ano de 2017. A adaptação e direção geral de Ricardo Silva leva ao palco nove atores dando vida aos personagens que, por vezes, dançam embalados por uma banda com música ao vivo.

Monteiro Lobato (1882-1948) foi o primeiro a escrever para crianças. Falar da literatura infantil no Brasil é reviver as travessuras e reflexões da boneca de pano Emília, ao lado de seus amigos Narizinho, Pedrinho, Visconde de Sabugosa, Tia Anastácia e Dona Benta; entre tantos outros personagens. Agora, adultos, vovôs e vovós poderão levar seus pequenos para conhecer a fábula que marcou a vida de muitos deles, promovendo o encontro com a literatura brasileira, tão rica e reconhecida mundialmente.

Com realização da Tambores Produções e Cia. Teatral Sassaricando, a peça é voltada para as crianças. As companhias acreditam na importância de levar para os palcos, textos nacionais, valorizando assim, os nossos autores e a nossa pátria. O espetáculo traz em cena os atores Raquel Penner, Cristina Fracho, Cristina Guimarães, Wanderson Bernardo, Nícolas Freitas (ex-Cordel Encantado), Guilherme Gutierrez, Julia Gusmão, Luiza Vieira e Victor Salzeda. Na direção musical Victor Salzeda comanda os músicos Camila Ferolla (percusssão), Juan Paz (violão) e Natan Figueiredo (flauta). As coreografias são de Cristina Guimarães. A homenagem recebeu programação visual e pinturas em aquarela de Bianca Oliveira. Já a produção executiva é de Luciana Vieira, da Tambores Produção.

“Monteiro Lobato foi um dos escritores brasileiros mais influentes, e ganhou destaque no panorama da literatura infantil, com a sua obra “Sítio do Picapau Amarelo”. Apresentar um espetáculo com histórias adaptadas a partir desta obra, significa levar para o público infantil personagens com a essência puramente brasileira, trazendo à tona, um sentimento de resgate da nossa infância, de brincadeiras antigas de criança, de lembranças dos nossos avós e de suas histórias, e de um Brasil com seus rios, suas árvores frutíferas e sua fauna valorizados e preservados. Por isso, estamos certos de que, através de uma vasta pesquisa realizada pela companhia, da experiência da nossa equipe envolvida, e do amor pela obra de Monteiro Lobato, realizaremos uma montagem digna, alegre e divertida, que agradará tanto as crianças, quanto os pais, avós e familiares que irão ao teatro”, afirma Ricardo Silva, responsável pela adaptação e direção geral da peça Sítio do Picapau Amarelo.

Muito mais do apenas entreter por meio do teatro, a Cia. Teatral Sassaricando busca com a peça Sítio do Picapau Amarelo valorizar a cultura brasileira, seus autores e suas obras; resgatar a leitura e o contato com o livro físico; estimular o contato das crianças com brincadeiras de roda, soltar pipa, tomar banho de rio, brincar com peão, entre tantas outras que fizeram parte, durante anos, da infância de muitas crianças. A peça teatral nasce no resgate lúdico, no folclore, na imaginação e na importância que ela nos oferece dentro do contexto social, político e econômico.

“Monteiro Lobato não economizou em retratar o nosso Brasil de forma rica, detalhada e lúdica, onde a criança pudesse entender com simplicidade a matemática, geografia, história, usando da própria literatura para falar do amor a natureza e sua preservação, e a alegria de viver. Como dizia ele, ‘Um país se faz com homens e livros’. A adaptação desta história permeia entre a fantasia e a realidade levando as crianças a revelar-se bem dotados de senso crítico, julgando as histórias de “vó” com muito critério e segurança. É um trabalho que deseja promover o reencontro dos avós, pais e familiares que irão ao assistir à peça de teatro, com as lembranças que possuem da primeira versão do Sítio do Picapau Amarelo, que foi um grande sucesso de 1977 a 1986, nos noves anos que ficou no ar”, destaca a produtora executiva Luciana Vieira.


FICHA TÉCNICA
Adaptação, Direção Geral e Cenografia: Ricardo Silva
Direção Musical: Victor Salzeda
Elenco: Raquel Penner, Cristina Fracho, Cristina Guimarães, Wanderson Bernardo, Nícolas Freitas, Guilherme Gutierrez, Julia Gusmão, Luiza Vieira e Victor Salzeda.
Músicos: Camila Ferolla (Percusssão), Juan Paz (Violão) e Natan Figueiredo (Flauta)
Stand-Ins: Matheus Lana, Giovanna Sassi, Luiza Lewicki, Bianca Pontes e Fernanda Guerreiro
Coreografias: Cristina Guimarães
Design de Luz: Ricardo Lyra Jr.
Progr. Visual e Pinturas em Aquarela: Bianca Oliveira
Elaboração do Projeto: Raquel Penner
Camareira, Contra-Regra e Assist. ee Produção: Eloisa Guimarães
Operação de Som: Guilherme Sousa
Produção Executiva: Luciana Vieira (Tambores Produções)
Realização: Tambores Produções e Cia. Teatral Sassaricando
Assessoria de Imprensa: Fernanda Con’Andra (Fecon Comunicação Estratégica)

SERVIÇO
SÍTIO DO PICAPAU AMARELO
Teatro dos Quatro – Shopping da Gávea (R. Marquês de São Vicente, 52 - Gávea, Rio de Janeiro). Estreia: Sábado - 04 de novembro de 2017. Temporada até 04 de março de 2018. Informações: (21) 2274-9895. Dias e horários: Sábados e Domingos, às 17 horas. Contato: tamboresproducoes@gmail.com.
Ingressos: R$ 60 (inteira) / R$ 30 (meia) - Bilheteria. Clubinho de Ofertas (Ingressos promocionais): http://bit.ly/2iFeKYa



Agenda Cultural RJ
▪ Gabriele Nery ▪ Produção e Divulgação de Eventos Culturais. Colagem de Cartazes e Distribuição de Filipetas em pontos estrategicos. Divulgação de Midia Online. (21)996734350 / whatsapp #agendaculturalrj


____________________________________________________________


SEMANA DE ATIVIDADES PARA TODAS AS IDADES CELEBRA A ARTE DO PALHAÇO



Respeitável público, é chegada a hora de uma grande festa de celebração à arte do palhaço. A ESLIPA - Escola Livre de Palhaços realizará uma semana para lá de cômica com diversas atividades espalhadas pela cidade, com a participação do grupo Circo do Asfalto, entre os dias 16 e 20 de outubro. E no dia 21 de outubro, o “grand finale” ficará por conta da Palhaçatura – cerimônia de formatura de novos palhaços, alunos da ESLIPA. Toda a programação tem entrada franca.

Entre os dias 16 e 20, pela manhã, no Centro Municipal de Artes Calouste Gulbenkian, serão realizados seminários, rodas de conversa, oficinas e a exposição de duas teses sobre a arte da palhaçaria, escrita por alunos das turmas anteriores da ESLIPA. Já as tardes serão dedicadas às oficinas de palhaço, dirigidas pelo casal de fundadores do Grupo Off-Sina, Richard Riguetti e Lilian Moraes. À noite a diversão será garantida a partir do dia 17, às 20h, com apresentações do grupo Circo do Asfalto e do Cabaré Eslipiano, reunindo artistas de todo o Brasil formados pela ESLIPA, na Praça do Largo do Machado.



Para finalizar, no dia 21, na Praça do Largo do Machado, às 16h, acontecerá a tradicional “Palhaçatura”, um rito de passagem com as PalhaNinfas Lily Curcio e Lilian Moraes. A cerimônia marca um momento de transição na vida de um artista/palhaço, simbolizando o fim de um ciclo de aprendizagem e o início da vida profissional. A comemoração contempla as melhores cenas criadas pelos palhaços formandos.

“Como fundadores e coordenadores da ESLIPA, sentimos uma profunda emoção em proporcionar essa significativa transição através de um rito de passagem. Palhaços de várias regiões do Brasil entrarão em uma nova fase de suas vidas artística e cidadã, atingirão um novo patamar na arte e no oficio da palhaçaria. A emoção está na ponta do nariz!”, revelam Richard Riguetti e Lilian Moraes, diretores do Grupo Off-Sina.

Sobre a Escola


Fundada em 2012 pelo casal de artistas Richard Riguetti e Lilian Moraes, que formam o Grupo Off-Sina, o espaço foi pensado para potencializar a linguagem do palhaço na América Latina. Priorizando novos conhecimentos e troca de saberes sobre o ofício, a escola foca na qualificação e o aperfeiçoamento artístico e técnico de artistas que atuam em diversos espaços cênicos, bem como artistas interessados em desenvolver uma pesquisa sobre a arte da palhaçaria.

Com o propósito de elaborar um programa inovador e criativo, que permita uma elevada percepção estética e uma renovação qualificada da cena integram o time de mestres da ESLIPA importantes profissionais de circo, teatro e música, entre eles Pepe Nuñez, Lily Curcio, Esio Magalhães, Teófanes Silveira e Ricardo Puccetti.

SERVIÇO:

Segunda, dia 16 - Centro Municipal de Artes Calouste Gulbenkian – CALOUSTE: R. Benedito Hipólito, 125 - Centro, Rio de Janeiro – RJ.

10h às 12h30minh - Seminário Escola de Palhaço para que e para quem?

14h às 18h - Oficina de Palhaço Richard e Lilian

Terça-feira, dia 17 – CALOUSTE

9h às 11h - Roda de Conversa com Circo do Asfalto e Adriano Mauriz

11h às 13h - Palhaços na Academia

14h às 18h - Oficina de Palhaço Richard e Lilian

PRAÇA DO LARGO DO MACHADO

19h às 22h - Cabaret Eslipiano Direção: Fran Marinho (Circo do Asfalto/SP)

Quarta-feira, dia 18 - CALOUSTE

9h às 11h - Oficina de Acrobacia Glaucy Fragoso

11h às 13h - Oficina de Dramaturgia

14h às 18h - Oficina de Palhaço Richard e Lilian

PRAÇA DO LARGO DO MACHADO

19h às 22h - Espetáculo “Percha” com Circo do Asfalto

Quinta-feira, dia 19 – CALOUSTE

9h às 11h - Roda de Conversa com Pedro Sitta, Jimmy Charles, Jessé Cabral e Dio Jaime

11h às 13h - Oficina de Música Anthony Brito

14h às 18h - Oficina de Palhaço Richard e Lilian

PRAÇA DO LARGO DO MACHADO

19h às 22h - Cabaret Eslipiano Direção: Glaucy Fragoso

Sexta-feira, dia 20 – CALOUSTE
09h às 11h - Oficina de palhaço com Jessé Cabral

11h às 13h - Ensaio da Banda

14h às 18h - Oficina de Palhaço com Richard e Lilian

PRAÇA DO LARGO DO MACHADO

19h às 22h – Espetáculo Circo Rodado

Sábado, dia 21 – PRAÇA DO LARGO DO MACHADO

16h – Palhaçatura, rito de passagem com as PalhaNinfas Lily Curcio e Lilian Moraes


Agenda Cultural RJ - Produção,  Divulgação Cultural - Colagem de Cartazes e Distribuição de Filipetas. Divulgação de Mídia Online. Gabriele Nery - agendaculturalrj@gmail.com
 #agendaculturalrj

  Instagram

________________________________________________

KLEITON & KLEDIR
e as canções do PAR OU ÍMPAR


Os irmãos K&K apresentam com sua banda as músicas do álbum PAR OU ÍMPAR, lançado pela gravadora Biscoito Fino e reconhecido como “Melhor Disco Infantil” no 24O Prêmio da Música Brasileira.
O show traz canções feitas especialmente para as crianças pelos dois compositores que têm uma longa trajetória de sucessos junto ao público adulto. Temas como “O Mágico Estrambólico”, “Pirulito Esquisito”, “Formiga Atômica” e “Bicho Gente” falam de histórias e personagens fascinantes. “Trova do Guri e da Guria” é uma versão infantil da eterna guerra dos sexos: um desafio, onde um menino e uma menina se enfrentam em forma de versos improvisados.
 O repertório traz ainda uma parceria com o irmão Vitor Ramil, “Pé de Pilão” (inspirada na obra do poeta Mario Quintana), a história do “Planeta Poft” (Pery Souza e Silvestrin) onde o pum é perfumado e mais, duas pérolas da genial compositora argentina Maria Elena Walsh,
Para criar as canções de “Par ou Ímpar”, Kleiton e Kledir dizem que foi preciso “desenvelhecer um pouco até chegar àquele estado de pureza em que a fantasia se confunde com a realidade. Foi uma oportunidade de resgatar uma monte de coisas boas que a gente vai perdendo pelo caminho.”

KLEITON & KLEDIR e as canções do PAR OU ÍMPAR 
Teatro SESC Ginástico - Av. Graça Aranha, 187 – Tel (21) 2279-4027
Sábado, 14 de outubro, 16h

GRÁTIS para CRIANCAS e adolescentes até 16 anos, associado Sesc e PCG
Ingressos populares: R$10,00 (inteira) | R$5,00 (meia-entrada) 

Kleiton: violão, violino e pente
Kledir: violão e cuatro venezolano
Dudu Trentin: teclados
Adal Fonseca: bateria
Andre Gomes: baixo

Saiba mais sobre o disco – site PAR OU ÍMPAR
http://www.kleitonekledir.com.br/parouimpar/

Saiba mais sobre o evento no Facebook
https://www.facebook.com/events/134488277279294/?active_tab=about


Agenda Cultural RJ - Produção,  Divulgação Cultural - Colagem de Cartazes e Distribuição de Filipetas. Divulgação de Mídia Online. Gabriele Nery - agendaculturalrj@gmail.com #agendaculturalrj Instagram



_________________________________________________________


Baseado na obra “Partimpim”, de Adriana Calcanhotto, musical infantojuvenil “Lá Dentro Tem Coisa” está em cartaz no Teatro dos Quatro, no Rio 

Com texto de Adriana Falcão, Rafael Gomes e Vinicius Calderoni, espetáculo tem direção de Renato Linhares e direção musical de Felipe Habib

O elenco de atores-cantores é formado por Estrela Blanco, Julia Gorman, Leo Bahia, Leonardo Senna, Luellem de Castro e Simone Mazzer

De um lado, o medo do desconhecido. Do outro, a coragem de buscar o novo. Eis o dilema que a menina Isabel enfrenta no dia do seu aniversário de 9 anos, quando ela sai de casa sozinha pela primeira vez. Esse é ponto de partida do musical infantojuvenil “Lá Dentro Tem Coisa”, baseado na obra “Partimpim” –coleção de canções para crianças lançada pela cantora e compositora Adriana Calcanhotto, em 2004, vencedora do Grammy Latino de “Melhor CD Infantil”. Com texto de Adriana Falcão, Rafael Gomes e Vinicius Calderoni, e direção de Renato Linhares e direção de arte do artista plástico Vik Muniz, o espetáculo fica em cartaz de 2 de setembro a 29 de outubro, no Teatro dos Quatro, no Shopping da Gávea, com sessões aos sábados e domingos, às 17h.

A história de “La Dentro Tem Coisa” se passa no dia do aniversário de 9 anos de Isabel – na abordagem lúdica da montagem, uma personagem dupla, Isa e Bel, meninas reflexos uma da outra, interpretadas respectivamente por Estrela Blanco e Luellem de Castro. Ao ganhar de presente dos pais a permissão para sair sozinha pela primeira vez, ela escolhe ir até a livraria, não muito longe de casa. No caminho, vai enfrentar o medo e conhecer a coragem e descobrir sensações e sentimentos diversos, bons e ruins, como raiva, mágoa, ansiedade, tristeza, expectativa, insegurança, incerteza, amor, desejo, gratidão.

Idealizado pelo ator e empreendedor cultural Felipe Lima, “Lá Dentro Tem Coisa” surgiu da vontade de criar uma peça inspirada no universo de “Partimpim”. A primeira troca de ideias ocorreu após uma apresentação de “Mas Por Quê??! – A História de Elvis”, espetáculo infantojuvenil também produzido por Felipe, que Adriana Calcanhotto havia ido assistir. “Adoro o trabalho dela. Conversamos ali mesmo, depois da peça, e falei que queria fazer um trabalho em que o ponto de partida fosse o ‘Partimpim’. Comentei sobre a minha vontade de ter a Adriana Falcão como autora, e assim começamos”, diz Felipe, que trouxe para o projeto os dramaturgos Rafael Gomes e Vinicius Calderoni, os mesmos de “Mas Por Quê??! – A História de Elvis”.

Para escrever o argumento de “Lá Dentro Tem Coisa”, a roteirista e escritora Adriana Falcão (que assina a dramaturgia ao lado de Rafael Gomes e Vinicius Calderoni) teve como pontapé inicial um sentimento que crianças e adultos experimentam com frequência: o medo do desconhecido. “Pensei nesse sentimento que todos nós nos identificamos, quando estamos em algum momento sozinhos, diante de um problema, e fazemos daquilo um monstro dentro da nossa cabeça”, diz a autora, que se inspirou nas músicas do disco, mas sem se ater a uma canção específica para criar a história.
Em cena, o elenco formado por Estrela Blanco (Isa), Julia Gorman (Mãe), Leo Bahia (Medo), Leonardo Senna (Pai), Luellem de Castro (Bel) e Simone Mazzer (Coragem) canta ao vivo nove músicas, sendo oito do disco “Adriana Partimpim” (2004). Com direção musical de Felipe Habib, as canções ganharam novos arranjos e foram encadeadas de maneira lúdica como condutoras da história. São elas: “Lição de Baião”, “Oito Anos”, “Ciranda da Bailarina”, “Ser de Sagitário”, “Borboleta”, “Formiga Bossa Nova”, “Fico Assim Sem Você” e “Saiba”. A trilha também traz “Poeta Aprendiz”, de Vinicius de Moraes e Toquinho, gravada por Calcanhotto no livro-disco homônimo.

A cenografia de Bia Junqueira retrata um espaço abstrato e onírico, com nuvens grandes suspensas a alturas variadas sobre o palco. Feitas de materiais como tela, arame, papelão e papel laminado, as nuvens criam caminhos que a menina Isabel percorre de casa até a livraria. “A ideia é evocar diferentes sentimentos e sensações. Não tem nada concreto. É como se fosse um espaço interno da menina”, explica Bia.

Os tons de branco e prata do cenário são coloridos com a luz de Tómas Ribas e os figurinos de Thanara Schönardie. As roupas não são situadas num tempo e num espaço e sugerem texturas sólidas e fluidas. “Os figurinos coloridos das meninas representam a liberdade da infância e o duplo, o reflexo uma da outra. Já os personagens que são sentimentos, Medo e Coragem, não têm uma forma definida, um contorno”, explica Thanara.

ROTEIRO MUSICAL 
“Lição de Baião”
“Oito Anos”
“Ciranda da Bailarina”
“Ser de Sagitário”
“Borboleta”
“Formiga Bossa Nova”
“Fico Assim Sem Você”
“Poeta Aprendiz”
“Saiba”                    

FICHA TÉCNICA

ELENCO
Estrela Blanco
Julia Gorman
Leo Bahia
Leonardo Senna
Luellem de Castro
Simone Mazzer

MÚSICOS
Piano e Acordeon - Gustavo Salgado e Evelyne Garcia
Guitarra, Sintetizadores e jacaré - Bartolo
Bateria e Percussão - Marcelo Callado

IDEALIZAÇÃO – Felipe Lima
DRAMATURGIA – Adriana Falcão, Vinicius Calderoni e Rafael Gomes
DIREÇÃO – Renato Linhares
DIREÇÃO MUSICAL – Felipe Habib
DIREÇÃO DE ARTE – Vik Muniz
CENÁRIO – Bia Junqueira
FIGURINO – Thanara Schönardie
ILUMINAÇÃO – Tómas Ribas
PRODUÇÃO DE ELENCO – Marcela Altberg
PROGRAMAÇÃO VISUAL – Flavio Albino
FOTOS DE DIVULGAÇÃO – Daryan Dornelles
DIREÇÃO DE PRODUÇÃO – Ana Paula Abreu e Renata Blasi
PRODUÇÃO – Diálogo da Arte Produções Culturais
REALIZAÇÃO – Sevenx Produções Artísticas

PATROCINADORES
Ministério da Cultura, Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, Secretaria Municipal de Cultura do Rio de Janeiro e Amil apresentam o espetáculo “Lá Dentro Tem Coisa”. A peça tem patrocínio de FINEP/Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Útil e Sprink.


SERVIÇO:

Temporada: De 02/09 a 29/10.
Dias e horários: Sábados e Domingos, às 17h
Local: Teatro dos Quatro
(Rua Marquês de São Vicente, 52 – Shopping da Gávea)
Tel.: (21) 2239-1095
Ingressos: R$ 60 (inteira) | R$30 (meia)
Duração: 60 minutos.
Classificação: Livre.
Gênero: Musical infantojuvenil.
Horários da bilheteria: Segunda a sábado, das 13h às 21h. Domingo, das 13h às 20h. Ou até horário do último espetáculo.

Agenda Cultural RJ -  Produção, Divulgação Cultural - Colagem de Cartazes e Distribuição de Filipetas. Divulgação de Mídia Online. Gabriele Nery - agendaculturalrj@gmail.com #agendaculturalrj Instagram

_________________________________

José Henrique Nogueira apresenta show para crianças em outubro



Com direção musical de Lui Coimbra e cenografia de Susana Lacevitz, compositor mostra seu repertório infantil, com rock, pop, blues e baladas, em Santa Teresa



Há mais de 30 anos, o compositor José Henrique Nogueira dedica boa parte de seu trabalho à infância. Já foi professor de 13 escolas e creches no Rio e compôs dois CDs com canções para os pequenos. Em agosto, apresentou o espetáculo José Henrique para Criançasno Teatro Café Pequeno, no Leblon. O sucesso foi tanto que recebeu convites para ampliar a temporada. Em outubro, o artista reapresenta o show nos dias 1º, no Centro Municipal de Referência da Música Carioca Artur da Távola, na Tijuca, e 14, no Teatro do Parque das Ruínas, em Santa Teresa.


Com direção musical de Lui Coimbra, que também participa com violão, violoncelo e charango, José Henrique (voz e violão) vai apresentar 12 músicas dos CDs Curiosa Idade Musical 1 e Curiosa Idade Musical 2, entre elas, os sucessos “Foguete”, “O mosquito” e “Laranjeiras”. A cenógrafa Susana Lacevitz inspirou-se nas folhas e cores da natureza do bairro das Laranjeiras para criar um belo quebra-cabeça circular no fundo do palco.

A banda conta ainda com David Willian, no teclado e acordeão, Naife Simões, na percussão, e Rê Freitas, na flauta. Na dramatização, Marcia Valença interage com o público a partir de brinquedos e gestos. “É um show não apenas para as crianças, mas para todos que têm a alma infantil e curtem esse universo”, diz José Henrique.

Idealizador e coordenador da escola de música Espaço 23, José Henrique Nogueira oferece contato com instrumentos e ritmos para crianças a partir de dois anos. Entre as atividades, a musicoterapia é um dos destaques do estúdio em Laranjeiras. “Esse trabalho me faz perceber a individualidade, a característica e o interesse musical de cada um. Atualmente trabalho também com autistas, portadores de síndrome de Down e outras. É muito gratificante ver a evolução dos alunos”, diz.

Para 2018, José Henrique Nogueira prepara um novo disco, Urbano, desta vez focado no universo adulto. O CD segue a linha do primeiro trabalho solo, Caiçara, com canções autorais instrumentais. “Esse projeto tem um caráter mais conceitual e está sendo produzido em parceria com amigos como Guto Goffi, Nilo Romero e David Ganc”, antecipa.

Sobre José Henrique Nogueira – Idealizador e coordenador do Espaço 23, em Laranjeiras, é musicoterapeuta, educador e escritor na área de Educação Musical e Musicoterapia. Cursou Licenciatura em Educação Musical (CBM-RJ), graduou-se em Musicoterapia (CBM-RJ), é mestre em Educação Musical pela CBM/UFRJ. Na University of Warwick (Inglaterra), cursou Hands on Music, pela Orff Society.

José Henrique Nogueira foi também coordenador da Pós-Graduação Latu Sensu Arte-Educação na Universidade Católica de Petrópolis, idealizou e organizou o caderno Música para o Ensino Fundamental, da Fundação Roberto Marinho, em 2012, e já lançou três livros: Música e saúde mental,O bebê e a música e Educação musical.

Serviço – José Henrique para Crianças
14/10 (sábado)
Local: Parque das Ruínas – Rua Murtinho Nobre, 169, Santa Teresa. Tel.: 2215-0621
Horário: 11h
Ingressos: R$ 30,00 inteira; R$ 15,00 meia-entrada e crianças
Direção musical: Lui Coimbra
Cenografia: Susana Lacevitz
Dramatização – Marcia Valença
Voz e violão – José Henrique Nogueira
Violão, violoncelo e charanga – Lui Coimbra
Teclado e acordeão – David Willian
Percussão – Naife Simões
Flauta – Rê Freitas
Duração: 1h15

Agenda Cultural RJ - Divulgação Cultural - Colagem de Cartazes e Distribuição de Filipetas. Divulgação de Mídia Online. Gabriele Nery - agendaculturalrj@gmail.com #agendaculturalrj 

______________________________________

Flores D’água Contadoras de Histórias
Comemoração de 1 ano da peça brincante e poética que trata da importância da água com trava línguas e canções populares



Flores D’água Contadoras de Histórias entrará em temporada do dia 30 de setembro ao dia 22 de outubro na Casa de Cultura Laura Alvim em Ipanema com histórias que homenageiam nossa mãe natureza.

O espetáculo prioriza a brincadeira e o encontro através de uma linguagem narrativa, corporal e musical para todas as idades sensibilizando através da música, imagens visuais, divertindo e trazendo questionamentos sobre a relação da humanidade com a natureza.


Idealizado pela atriz Paulinha Cavalcanti e dirigido por Anderson Barreto, o espetáculo traz canções e cantigas populares que conduzem a cena, com humor, beleza e claro, histórias de flores d’água – vitória régia, flor de lótus- em integração direta com púbico. Nessa sessão, Paulinha é acompanhada pelo multi-instrumentista Romulo Frazão.
Em Flores D’água a tradição oral mergulha nos rios e assim a Contadora de Histórias, com sua bacia e seu balde de roupas, tecidos que passeiam pelo imaginário transformado em personagens, objetos cria, junto com o músico, o cenário para que as histórias aconteçam. Os lagos, com seus sapos, pântanos, flores e riquezas, as cachoeiras, o mar, os rios largos e os igarapés são por onde as histórias caminham. Como será que nasceu o Sol e a Lua? Tantas são as possibilidades...Depois do sapo sentir alívio por ter se salvado da brincadeira das crianças, Mariana pergunta: Onde estão as águas do meu Rio? A Vitória Régia entra em cena e desabrocha...Terra, Fogo, Água e Ar são quatro lendários irmãos e juntos irão criar um novo ser.



O público se envolve durante toda a apresentação participando de brincadeiras, trava-línguas e canções brasileiras desde Chiquinha Gonzaga, canções populares, até composições próprias da atriz. O cenário trás elementos da cultura ribeirinha como o balde e a bacia para lavar roupa, tecidos coloridos e a saia da atriz se transformam nas personagens e objetos da narrativa, em um espetáculo que trata da importância da preservação da água, de maneira leve e divertida.

O Flores D’água Contadoras de Histórias estreou em outubro de 2016 no Teatro Municipal Serrado onde esteve um mês em temporada,já com seu CD Flores D’água Contadoras de Histórias gravado com músicas e histórias do espetáculo projeto realizado no Estúdio 3 do Centro de Referência da Música Carioca Arthur da Távola. Em sua trajetória ainda recente o espetáculo esteve também na escola Municipal Duque de Caxias, no Centro de Referência da Música Carioca Arthur da Távola, no Parque das Ruínas, na Casa de Baco, no Teatro Municipal Café Pequeno, Circuito SESC Expressões etc.

“Lindo trabalho. Delicado. Sutil. Teatro Artesanal. Jogo de imaginação. Cantigas doces e nossas. Um afago nos sentidos das nossas crianças. Obrigada Paulinha e equipe pela tarde especialíssima!”
Fala de Ana Paula Bouzas – atriz, bailarina e professora de teatro


Ficha técnica:
Direção: Anderson Barreto
Elenco: Paulinha Cavalcanti
Musico: Romulo Frazão
Iluminação: Ana Paula Brasil
Produção: Hitawa Nukini
Fotos: Alex Gaudêncio


Serviço

Flores D’água Contadoras de Histórias 
De 30 de setembro a 22 de outubro de 2017
Sábados e Domingos
Horário: 17h00
Ingressos: R$ 30,00 (meia entrada conforme legislação vigente)
Local: Casa de Cultura Laura Alvim
CCLA é um espaço da Secretaria de Estado de Cultura/FUNARJ.
Teatro Laura Alvim
Av. Vieira Souto, 176 - Ipanema
Rio de Janeiro, RJ, BR
Tel: (21) 23322016



Agenda Cultural RJ - Divulgação Cultural - Colagem de Cartazes e Distribuição de Filipetas. Divulgação de Mídia Online. Gabriele Nery - agendaculturalrj@gmail.com

 #agendaculturalrj

  Instagram

______________________________________________________________________

HISTÓRIAS DE UMA MARGARIDA 
EM CARTAZ  NO 

TEATRO CANDIDO MENDES  



Idealizadora e autora do projeto, a atriz Mariana Dias interpreta a personagem Margarida


A peça tem direção de Fernando Nicolau e objetos cênicos criados pelo artista visual Bruno Dante

Sete canções inéditas, de autoria do diretor musical Claudio Lyra, fazem parte do espetáculo

De uma saia longa, cheia de bolsos, nascem histórias contadas através de objetos lúdicos, que conduzem as crianças a uma viagem pela imaginação. Inspirada no conto “A Paixão de Dizer”, publicado no livro “Mulheres” de Eduardo Galeano, a atriz e autora Mariana Dias criou Margarida, uma contadora de histórias, que deu origem ao projeto “Histórias de uma Margarida”. A partir de suas memórias afetivas, a atriz escreveu o conto “O jardineiro e a flor” que narra o nascimento da personagem. Com direção de Fernando Nicolau e objetos cênicos criados por Bruno Dante, a peça estreia no dia 16 de setembro, no Teatro Candido Mendes. A temporada será aos sábados e domingos, às 16h, até 29 de outubro.

Os contos “Alfaiate Desatento” e “A formiga e a neve” foram referências para a atriz escrever “O jardineiro e a flor”. Um jardineiro, que sonha com um jardim cheio de borboletas, está triste porque não tem flor, logo, não tem borboletas. Um dia ele recebe, num sonho, o conselho de um sábio: conversar com a natureza. Ele então procura o Sol, a Chuva e a Terra até encontrar a resposta para seu sonho.

 “Histórias de uma Margarida” tem referências musicais e literárias que compõem a memória afetiva de Mariana. “Quando meu filho nasceu reencontrei lembranças da minha infância e a contação de histórias, prática que já me fascinava desde que estudei Letras, me ajudou a ressignificar muitas memórias”. Margarida nasceu deste reencontro com sua própria história e há três anos vem se apresentando em espaços de educação infantil no Rio de Janeiro. “A arte de contar e ouvir histórias é uma das práticas mais antigas da humanidade e até hoje fascina” destaca a atriz. “A oralidade permite a liberdade imaginativa”.

A direção musical é de Claudio Lyra, cantor, compositor, instrumentista e produtor musical, que compôs sete músicas inéditas. A canção popular “Apareceu a Margarida”, também faz parte do repertório. Quando toca, a personagem aparece como mágica.

Para ilustrar esta história, o diretor Fernando Nicolau e o artista visual Bruno Dante escolheram o verde como cor principal. “O cenário é composto por grama sintética. Escolhemos esta monocromia como caminho para reverenciar a natureza”, destaca Fernando. O figurino, da saia até o chapéu, também é verde. A saia, criação de Luiza Fardin, tem 17 bolsos e o chapéu, criado por Bruno, tem forma gotejante, inspirada na obra do artista plástico Ernesto Neto. “Muito mais que um adereço, o chapéu é também um regador e traz uma caixinha de música, de onde Margarida tira suas histórias”, conta Bruno. Do figurino, saem ainda 16 objetos cênicos criados pelo artista, todos em tons alaranjados. “O laranja tem uma vibração e, ao mesmo tempo, é uma cor híbrida, que não remete a gênero”, explica.
Este é o primeiro trabalho de Fernando Nicolau para crianças. “É desafiador falar com este público”, diz o diretor sobre sua estreia em espetáculos infantis. Seu trabalho mais recente, o monólogo “Se eu fosse Iracema” estreou em 2016 no Rio e segue em circulação pelo país. “Estou aprendendo muito com o Bruno, que tem uma bonita trajetória neste universo”. Bruno, por sua vez, recebeu recentemente a menção honrosa no Prêmio Zilka Sallaberry 2017 pela linguagem de animação do espetáculo “Por que nem todos os dias são de Sol?”, da Artesanal Cia de Teatro, e cria bonecos para teatro adulto e infantil, e também como obra artística. Entre os seus trabalhos recentes destacam-se também a peça “Gritos”, da companhia franco-brasileira Dos à Deux, e “Tra la lá”, musical infantil com canções de Lamartine Babo. Atualmente, Bruno é o criador, ao lado da Cia. Giramundo, dos bonecos da novela “Pega Pega”, da TV Globo, e também assina a orientação de manipulação nas cenas.
A história contada em parceria com o espectador favorece a escuta e a ritualização do lúdico. “Histórias de uma Margarida” celebra o ritual de contar histórias, incentivando a imaginação das crianças, num tempo em que recebem quase tudo pronto: desenhos animados, brinquedos eletrônicos, bonecas que falam entre outros.

SOBRE MARIANA DIAS 
Atriz, contadora de histórias e autora, é formada em letras pela PUC-Rio e Artes Cênicas pela CAL. Trabalhou com importantes diretores e profissionais da área durante seu processo de formação: Felipe Vidal, Ole Erdman, Celina Sodré, Isaac Bernat, Rose Gonçalves, Fernando Boher, Luciana Bicalho, Paulo Trajano, León Góes, Renato Icaray, Daniel Belquer, Daniel Schenker, entre outros. Atualmente é sócia diretora na empresa Dias de Lyrios Produções onde realiza seus projetos autorais, atua no projeto “Histórias de uma Margarida” como contadora de histórias. Foi integrante do MASSA grupo de teatro nos espetáculos “Capivara na luz trava”, e o infantil “Lendas da América Latina”, do qual assina a dramaturga, e que fez parte do projeto Plateias Hospitalares - Doutores da Alegria. Parceira de Claudio Lyra, também sócio da Dias de Lyrios, participou do seu clipe "Esparrela do Brasil", como Carmem Miranda. Escreveu roteiros para o programa “Um Pé de Quê?”, apresentado por Regina Casé (Canal Futura); criou e apresentou o espetáculo musical infantil “Céu de Portugal, Céu do Brasil” - sobre a vinda da corte portuguesa para o Rio, na Fundação Planetário do Rio de Janeiro; desenvolveu projetos de pesquisa de livros e exposições para a Dois/Um Produções Culturais. Autora do livro de poesias “Toda Feita com as Mãos” (Editora Multifoco), realizou intervenções urbanas e performances autorais misturando poesia, música e dança em seus trabalhos artísticos.

FICHA TÉCNICA

Atuação, contação e dramaturgia: Mariana Dias
Direção cênica: Fernando Nicolau
Direção de arte: Fernando Nicolau e Bruno Dante
Figurino: Luiza Fardin
Objetos cênicos e chapéu: Bruno Dante
Iluminação e cenografia: Fernando Nicolau
Direção musical: Claudio Lyra
Consultoria de visagismo: Jorge Abreu
Preparação vocal: Verônica Machado
Coral de crianças: Coral do Ensino Fundamental da escola Edem
Comunicação visual: Fernando Nicolau e Bruno Dante
Foto: IMATRA
Assessoria de imprensa: Bianca Senna
Produção executiva: Camilla Carvalho
Idealização: Mariana Dias
Realização e coordenação de produção: Dias de Lyrios Produções

SERVIÇOHistórias de uma Margarida
Temporada: De 16 de setembro a 29 de outubro de 2017.
Horário: sábado e domingo, às 16h.
Local: Teatro Candido Mendes.
Endereço: Rua Joana Angélica, 63, Ipanema.
Informações: (21) 2523-3663.
Capacidade: 104 lugares.
Duração: 50 minutos.
Classificação etária: Livre (recomendado para crianças a partir de três anos).
Gênero: Infantojuvenil.
Ingressos: R$40 (inteira) e R$20 (meia-entrada).

Agenda Cultural RJ - Divulgação Cultural - Colagem de Cartazes e Distribuição de Filipetas. Divulgação de Mídia Online. Gabriele Nery - agendaculturalrj@gmail.com
 #agendaculturalrj

  _____________________________________________________


“O Caminho de Buda”

Grupo Tecendo Contos apresenta no Teatro Glauce Rocha, de 02 a 24 de setembro – sáb. e dom às 16h a contação de história infantojuvenil “O Caminho de Buda”.



O projeto é realizado pelo Grupo Tecendo Contos (Élida Candido e Valéria Gonçalves) e fará apresentação da contação no Teatro Glauce Rocha, Centro da Cidade RJ . Estreia dia 02 SET, temporada até 24 SET. - sáb. e dom. às 16h.

Além da contação, realizaremos uma breve oficina de origami destinada a crianças e adultos.


A contação aborda, em cinco episódios, a vida de Siddhartha Gautama: o nascimento, a infância, a juventude, a descoberta dos quatro sinais e a saída do palácio em busca da sabedoria.
Siddhartha Gautama nasceu no século VI, 563 anos a.C, em Lumbini, fronteira entre a Índia e o Nepal. Era um príncipe, filho único da rainha Maya e do rei Suddhodana, líder do clã Shakya, cuja capital era Kapilavastu.






Acostumado ao ambiente de luxo e conforto do palácio e à superproteção de seu pai, sai um dia a passeio para além dos muros do palácio e se depara com a vida das pessoas em vilarejo pobre. Neste lugar, testemunha a velhice, a doença, a morte. E, ainda, a sabedoria, na vida liberta das paixões e desejos.

Ao completar 29 anos, decide abandonar o palácio. Recusa o título de príncipe e parte em busca da sabedoria e do sentido da vida.
O conteúdo da história do príncipe Siddhartha é atual, com suas reflexões, suas inquietações e sua busca para a transformação. Os recursos cênicos utilizados são tapete,bonecos lúdicos e sonoridades
executadas ao vivo com violão, percussão e sinos. A dramaticidade das cenas é apresentada com alegria e comicidade, tornando a contação um momento prazeroso ao público presente.


O grupo é integrante do MAMI – Movimento Artístico Musical para a Infância, formado por artistas que produzem e atuam em espetáculos,contação de histórias e shows infantis.
Além da contação, o grupo realizará, 15 minutos antes da sessão, uma breve oficina de origami destinada a crianças e adultos.


Episódios abordados no conto: - Nascimento: A rainha Maya dá à luz à Sidarta. Os magos do palácio apresentam a premonição de que a
criança abandonará a riqueza e o luxo e se tornará um iluminado. - Infância: Sidarta vive em um mundo artificial, criado pelo pai que o cerca de mimos. Até os 10 anos de idade, ele só conhece pessoas saudáveis, belas e ricas, quando sai pela primeira vez do palácio e conhece a vida simples das pessoas no campo.


Obs. nesta temporada estamos contando com a participação de Rodney Mariano na direção musical e como músico convidado. Foi parceiro de Zé Zuca por mais de 35 anos, com várias apresentações no Programa de auditório para crianças chamado “Zé Zuca e a Rádio Maluca” e em turnês pelo Brasil.



Agenda Cultural RJ - Divulgação Cultural - Colagem de Cartazes e Distribuição de Filipetas. Divulgação de Mídia Online. Gabriele Nery - agendaculturalrj@gmail.com

 #agendaculturalrj

  Instagram
______________________________________________________

Cururu: o sapo jururu

Texto: Tatiana Alves

Concepção e Direção: Júlio Luz

Um espetáculo repleto de magia e alegria, voltado para as crianças e para todo o público. O texto é autoral e a obra foi agraciada no Prêmio SESC/DF de Contos Infantis Monteiro Lobato, em 2010, e obteve o 2º lugar, também em 2010, no XV Concurso Literário Nacional, promovido pela Academia Caxiense de Letras/RS. O referente livro infantil foi publicado pela Editora Celacanto, em 2014, obtendo também o prêmio de 2º lugar no Concurso Internacional de Literatura Infanto-Juvenil da União Brasileira de Escritores (UBE). Além de o seu respectivo roteiro para teatro ter sido publicado em 2015.

A história é contada por sete atores e é permeada por uma trilha sonora elaborada a partir de ritmos brasileiros, conferindo ao espetáculo diversidade musical e uma identidade nacional. Com a preocupação ambiental, os figurinos em sua maioria foram construído a partir de material reciclado, como fundo de garrafa pet, tampa de refrigerante e Destacamos o projeto como relevante no âmbito social, pois pretendemos, com ele, mais do que produzir um espetáculo de qualidade e de valor cultural, fazer um espetáculo que possibilite e viabilize a inserção de jovens artistas no mercado de trabalho, auxiliando na qualificação profissional dos artistas da nossa cidade.

Uma narrativa que tematiza o amor romântico e a solidariedade. Outros temas, como a lenda do amor impo ssível entre o Sol e a Lua, a ocorrência astronômica de um eclipse, bem como a situação do indivíduo comum, que luta pela felicidade e supera a rejeição, são trabalhados de forma delicada na história. O espetáculo entrelaça lendas do folclore popular, costuradas no enredo, tais como: a lenda do amor entre Sol e Lua, a da Festa no céu, e apresenta personagens típicos da cultura nacional, como, por exemplo, o sapo cururu.

Sinopse

História do sapo Cururu, que conhece a lua, se encanta com a sua beleza e se apaixona por ela. Após ter o seu amor recusado, ele descobre o segredo que a envolve, e passa a ter uma missão: acabar com infelicidade da sua amada.

SOBRE O AUTORA

Tatiana Alves, escreve poemas, contos, crônicas, ensaios e livros infantis. É colunista das revistas Samizdat e Escritoras Suicidas, já tendo colaborado nos sites literários Anjos de Prata, Cronópios e Germina Literatura. Possui vinte e cinco livros publicados e recebeu cerca de quinhentos prêmios literários. O livro Cururu, o sapo jururu foi premiado no SESC/DF, na Academia de Letras de Caxias do Sul e na UBE-RJ. É Doutora em Letras e leciona Língua Portuguesa e Literatura no CEFET/RJ.

SOBRE O DIRETOR

Júlio Luz – Diretor - Formado em licenciatura em Teatro pela Universidade Estácio de Sá e pós graduado em Metodologia do Ensino das Artes, pela Uninter. No teatro dirigiu os seguintes espetáculos: “O Médico a força para um doente imaginário”; "Lisistrata", “Bendito Maldito – Um Olhar para os Excluídos”, “A Bruxinha que era Boa”, “Quem casa quer casa”, “Shakespeareando”, “Psicóloga Urbana em Promoção”, “Essas Mulheres”, “In the bathroom”, “Banheiro Feminino”, “Cinderela – O musical”, “Todo Amor que houver nessa vida”, “O Seguro”. Em produção: “O Livro dos Monstros Guardados”, “Congresso Nacional de Sexologia”, “Surto”, “Memórias Póstumas de Brás Cubas”, “Se meu Ponto G Falasse”. 


Ficha Técnica

Texto: Tatiana Alves
Adaptação & Direção: Júlio Luz
Direção de Movimento: Janaina Gaia
Direção Musical: Léa Fabres
Arranjos Musicais: Léa Fabres e Tinguá
Arranjos Musicais: Léa Fabres e Tinguá
Elenco: Amanda Mendonça, André Caldas, Clara Sanpi, Danda Leal, Flavio Santos, Pedro Gonzalez e Thiago Lemos
Cenografia: Eduardo Carvalho
Figurino: Kelly Régis
Visagismo: Clara Sanpi
Iluminação: Marcelo Amaral
Administração: Sergio Dias
Fotos de Divulgação: Kiev
Programação Visual: Henrique Rocha
Realização: Grupo de Teatro Belamatraka

Serviço:
Teatro Armando Gonzaga

Av. Gen. Osvaldo Cordeiro de Farias, 511 - Mal. Hermes

Informações: (21) 23321040
Sábados e Domingos, ás 16h
Duração: 50 minutos
Capacidade: 244 lugares
Classificação etária: Livre
Temporada: 23 de setembro de 2017 e 01 de outubro de 2017.
Temporada Popular: R$ 10,00

Agenda Cultural RJ - Divulgação Cultural - Colagem de Cartazes e Distribuição de Filipetas. Divulgação de Mídia Online. Gabriele Nery - agendaculturalrj@gmail.com
 #agendaculturalrj

  
_______________________________________________

Espetáculo infantil
"O Circo dos baús escondidos"
em curta temporada em Marechal Hermes
                                                                                   


A partir do sábado, 09 de setembro, crianças e adultos poderão descobrir o segredo dos baús escondidos. Com texto, músicas e direção de Anderson Rocha e coreografias de Carla Ribeiro, o espetáculo infantil 'O circo dos baús escondidos' estará em curta temporada no Teatro Armando Gonzaga, Av. Gen. Osvaldo Cordeiro de Farias, 511 - Mal. Hermes, Rio de Janeiro. Sempre as 16 horas, o espetáculo ficará em cartaz durante duas semanas, aos sábados e domingos (nos dias 09, 10, 16 e 17/setembro). Os Ingressos podem ser comprados pelo site ingressorápido.com.br / antecipados: R$ 15,00 / Valor normal R$ 20,00. Informações: tel.: 2332-1040 e no site www.articuleproducoes.com                  

Sinopse "O Circo dos baús escondidos"

“O homem se torna o que pensa, portanto o que quer”
Em uma noite especial, ao chegarem em uma pequena cidade onde o povo só tinha pensamentos maus, o palhaço Zeppelin e a fada Luz, viveram a maior experiência de suas vidas. A cidade foi totalmente transformada e os dois passaram a dividir um grande segredo. A partir daquela noite levam em suas viagens dois baús escondidos. Mas, uma vizinha daquele lugar não gostou nem um pouco das mudanças ocorridas. Com saudades das guerras, feitiços e maldades que realizava com aquele povo, Azedume, acompanhada de sua atrapalhada irmã caçula, a Amarga, decide descobrir como aquela enorme transformação aconteceu. O que Azedume nunca imaginou é que com pensamentos bons somos capazes de mudar qualquer coisa, principalmente nós mesmos.

Cia. de Teatro Articule comemora 18 anos em 2017
Em agosto de 1999, a companhia iniciava sua trajetória com o musical infantil "Corram que o bebê vem aí". Com elenco formado por atores da zona oeste/RJ, o musical com roteiro (adaptado) e direção de Anderson Rocha, esteve nas páginas dos principais jornais e revistas do RJ, no programa de tv do Daniel Azulay e realizou temporadas de sucesso em Copacabana, no Teatro Posto 6, por exemplo. Na sequência vieram diversos espetáculos e temporadas por várias cidades e regiões.
Os principais espetáculos da Cia. de Teatro Articule:
- "Corram que o bebê vem aí!"
(estreou em 1999) / (musical infantil - Adaptação e direção: Anderson Rocha)
- "A Bela e a Fera"
(estreou em 2003) / (musical infantil - Adaptação e direção: Anderson Rocha)
- "Jonas e o grande peixe"
(estreou em 2005) / (musical infantil - Adaptação e direção: Anderson Rocha)
- "Nas asas de um sonhador"
(estreou em 2012) / (musical infantil - Texto e direção: Anderson Rocha)
- "A Rede"
(estreou em 2013) / (comédia juvenil - Texto e direção: Anderson Rocha)

Serviço
Teatro Infantil
O CIRCO DOS BAÚS ESCONDIDOS
Texto e Direção: Anderson Rocha
Coreografias: Carla Ribeiro
Com: Younan Nohra, Julia Abreu, Milene Cauzin, Carina Pascale e Thiago Mata.
Sábados e Domingos às 16 horas
Nos dias: 09, 10, 16 e 17/setembro
Teatro Armando Gonzaga (Marechal Hermes)

Agenda Cultural RJ - Divulgação Cultural - Colagem de Cartazes e Distribuição de Filipetas. Divulgação de Mídia Online. Gabriele Nery - agendaculturalrj@gmail.com #agendaculturalrj Instagram
_______________________________________________________________

A CIA de teatro Ação Contínua apresentará no dia 03 de setembro o espetáculo Cinderela na Arena Carioca Dicró, na Penha às 17h.
Cinderela, a história de um sonho que se torna realidade. Um linda e bondosa menina, perde de forma inesperada o seu pai e é criada pela sua madrasta malvada e suas meias-irmãs, Grisela e Anastácia.
A história da menina que é maltratada e feita de criada é conhecida por quase todos, mas esta linda história merece ser encenada para que as pessoas entendam que nunca devemos deixar de sonhar.
Ingressos antecipados:
R$15,00

No dia todos pagam meia.
R$20,00
Informações:
3486-7643
96595-0352

Agenda Cultural RJ - Divulgação Cultural - Colagem de Cartazes e Distribuição de Filipetas. Divulgação de Mídia Online. Gabriele Nery - agendaculturalrj@gmail.com #agendaculturalrj Instagram
____________


A Cia. "Os Encenadores Teatrais'' apresentam os espetáculos
"A BICHARADA" e "DEU A LOUCA NOS CONTOS" 

A Cia. Os Encenadores Teatrais é um grupo teatral formado por brasileiros, integrantes de uma nova geração de artistas criadores. Seus fundadores iniciaram sua atuação nas artes cênicas como atores, tendo posteriormente desenvolvido as funções de produção e direção, visando empreender iniciativas culturais onde as diversas funções da cadeia produtiva das artes possam ser compreendidas e exercidas coletivamente, sendo o único grupo de teatro da Baixada Fluminense, selecionado pelo Edital da FUNARJ para realizar ocupação dos teatros sob administração da Fundação Anita Mantuano de Artes do Estado do Rio de no 1º e 2º semestres de 2017.


ESPETÁCULOS

A BICHARADA



‘A BICHARADA’ – Classificação LIVRE – Trata-se de uma fábula musical inspirada no conto “Os Músicos de Bremen” dos irmãos Grimm, com um cenário que lembra a xilogravura de um cordel, tem como trilha musical o samba, preservando a base da cultura brasileira. Conta a história de cinco animais, velhos e maltratados pelos seus donos, que decidem ir embora em busca da realização de seus sonhos.

AGENDA
SETEMBRO 02 e 03 15 H
TEATRO SYLVIO MONTEIRO – N. IGUAÇU


FICHA TÉCNICA

Direção e Dramaturgia: Rafha Lage
Direção Musical: Max Nevez
Músicas: Max Nevez
Letras: Alana Caroline; Andreza Paes e Carolina Reis
Intérpretes: Lyah Felix e Allan Antunes
Coreografias: Coletivo
Cenário: Rafaeela Lage
Figurino: Gleuza Zanetti
Técnica: Victor Hugo


DEU A LOUCA NOS CONTOS INFANTIS


‘DEU A LOUCA NOS CONTOS INFANTIS’ – Classificação LIVRE – O texto tem como tema a DENGUE, mal que aflige a todos sem distinção de classe social. Através de uma linguagem simples, acessível e de forma lúdica, procuramos informar sobre os sintomas, forma de transmissão e de prevenção.

AGENDA
SETEMBRO 09 e 10 15 H
TEATRO SYLVIO MONTEIRO – N. IGUAÇU

FICHA TÉCNICA

TEXTO: Antonio Martins
PRODUÇÃO: Cia. Os Encenadores Teatrais
DIREÇÃO: Rosa Motta
ASSISTENTE DE DIREÇÃO: Rafaela Lage
PRODUÇÃO: Cia Os Encenadores Teatrais
ILUMINAÇÃO E SONORIZAÇÃO: Rafaela Lage
FIGURINOS: Rosa Motta
COSTUREIRA: Gleuza Zanetti
CENÁRIOS: Antonio Martins
ELENCO: Denise Tavares, Lissandra Fabiana, Norma Lisboa, Ruan Carlos, Marlon, Sandra França

Agenda Cultural RJ - Divulgação Cultural - Colagem de Cartazes e Distribuição de Filipetas. Divulgação de Mídia Online. Gabriele Nery - agendaculturalrj@gmail.com #agendaculturalrj Instagram


______________________________________________________



Espetáculo infantil “RAPUNZEL”

Adaptação de Leonardo Simões a partir do conto dos irmãos Grimm

Nessa adaptação a história da menina de longas tranças, que é presa numa torre pela bruxa má, é contanto por uma empregada doméstica, mesclando referências da fantasia com os seus afazeres, como forma de tornar mais leve sua rotina de trabalho. O cenário é construído com materiais domésticos que remetem ao ambiente onde a história é narrada. A peça estará em cartaz de 05 a 27 de agosto, sábados e domingo, às 16h no Teatro Glauce Rocha.

Para contar a história da jovem Rapunzel O cenário foi construído com materiais domésticos que remetem ao ambiente onde a história é narrada, com isso tudo se transforma: uma mala velha simboliza o muro; bolinhas de brinquedo são rabanetes; cordas de nylon fazem as tranças de Rapunzel; a torre é uma escada de serviço; o espinheiro em volta da torre são cabideiros adereçados com escovas de limpeza, e por aí vai. Essa simplicidade elaborada de modo criativo estabelece uma atmosfera de encantamento, levando o público a se surpreender e a se emocionar novamente com a história da menina de longas tranças.

Apesar de ter diversas músicas, o espetáculo não é um musical, afirma o diretor Leonardo Simões. "O espetáculo tem algumas músicas que foram compostas especialmente para a peça, por Dante Carnevale e Eliane Dias, e outras que foram colhidas do cancioneiro popular (“Se essa rua fosse minha”, “Canto de chegança” e “Tô presa por um cordão”) e ainda duas canções da nossa MPB. Todas essas músicas têm no espetáculo uma função narrativa; isto é, não interrompem a peça apenas como ilustração ou divertimento, elas ajudam a criar o clima das cenas, para acentuar o estado das personagens ou mesmo para dar continuidade ao que é contado." Além dos atores em cena, o espetáculo tem as músicas tocadas ao vivo, ao violão.

A cenografia, figurinos e adereços foram concebidos por Ney Madeira, na primeira montagem (1996). Dez anos depois, o espetáculo de Leonardo Simões foi remontado e desde então integra o repertório do núcleo de Ensino e Pesquisa de A. Cênicas (NEPAC).

FICHA TÉCNICA:

Texto, direção: Leonardo Simões
Elenco: Luciene Amarante, Fernanda Guerreiro, Anderson Calabria e o músico Luan Simões
Cenário e Figurinos: Ney Madeira
Iluminação: João Franco e Raphael César Grampola
Coordenação de projeto: Raquel Penner
Assistente de produção: Rafa Barcelos
Produção: NEPAC – Núcleo de Ensino e Pesquisa de Artes Cênicas
Divulgação: Fabrício Chianello
As músicas compostas para o espetáculo: Dante Carnevale e Eliane Dias /Realização: Leonardo Simões e Núcleo de Ensino e Pesquisa de A. Cênicas (NEPAC).
Assessoria de Imprensa Paulo Zanon
SERVIÇO:
RAPUNZEL
Data: 05 a 27 de Agosto – Sábados e Domingos 16h
Endereço: Teatro Glauce Rocha - Av. Rio Branco, 179 - Centro
Telefone: (21) 2220-0259
Ingressos: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia)
Classificação: Livre
Duração: 50 min

______________________________


José Henrique Nogueira apresenta show para crianças no Teatro Café Pequeno



Com direção musical de Lui Coimbra, compositor mostra seu repertório infantil, com rock, pop, blues e sertanejo, nos dias 12 e 13 de agosto





Há mais de 30 anos, o compositor José Henrique Nogueira dedica boa parte de seu trabalho à infância. Já foi professor de 13 escolas e creches no Rio e compôs dois CDs com canções para os pequenos. O artista apresenta músicas escolhidas para este momento especial, criadas em sua trajetória na educação musical com a garotada, e lança o show José Henrique para Crianças, nos dias 12 e 13 de agosto, às 16h, no Teatro Café Pequeno, no Leblon.

Com cenografia de Susana Lacevitz e direção musical de Lui Coimbra, que também participa com violão, violoncelo e charanga, José Henrique (voz e violão) vai apresentar 12 músicas dos CDs Curiosa Idade Musical 1 e Curiosa Idade Musical 2, entre elas, os sucessos “Foguete”, “O mosquito” e “Laranjeiras”. A banda conta ainda com David Willian, no teclado e acordeão, e Naife Simões, na percussão. Na dramatização, Marcia

“Foguete”, “O mosquito” e “Laranjeiras”. A banda conta ainda com David Willian, no teclado e acordeão, e Naife Simões, na percussão. Na dramatização, Marcia Valença. “É um show não apenas para as crianças, mas para todos que têm a alma infantil e curtem esse universo”, diz o artista.

Encantado com as filhas Ana Clara, 15 anos, e Manuela, 6, não foi à toa que o músico escolheu o simbólico Dia dos Pais (13 de agosto) para subir ao palco. “Uma das coisas mais maravilhosas que me aconteceu foi ter tido a chance de ser pai. Cuido, brigo, brinco, fazemos música, enfim, babo. O show é uma oportunidade para reunir todas as famílias em torno da boa música”, orgulha-se.

Idealizador e coordenador da escola de música Espaço 23, José Henrique Nogueira oferece contato com instrumentos e ritmos para crianças a partir de dois anos. Entre as atividades, a musicoterapia é um dos destaques do estúdio em Laranjeiras. “Esse trabalho me faz perceber a individualidade, a característica e o interesse musical de cada um. Atualmente trabalho também com autistas, portadores de síndrome de Down e outras. É muito gratificante ver a evolução dos alunos”, diz.

Para 2018, José Henrique Nogueira prepara um novo disco, Urbano, desta vez focado no universo adulto. O CD segue a linha do primeiro trabalho solo, Caiçara, com canções autorais instrumentais. “Esse projeto tem um caráter mais conceitual e está sendo produzido em parceria com amigos como Guto Goffi, Nilo Romero e David Ganc”, antecipa.

Sobre José Henrique Nogueira – Idealizador e coordenador do Espaço 23, em Laranjeiras, é musicoterapeuta, educador e escritor na área de Educação Musical e Musicoterapia. Cursou Licenciatura em Educação Musical (CBM-RJ), em 1995, graduou-se em Musicoterapia (CBM-RJ), 1994, é mestre em Educação Musical pela CBM/UFRJ. Na University of Warwick (Inglaterra), cursou Hands on Music, pela Orff Society.

José Henrique Nogueira foi também coordenador da Pós-Graduação Latu Sensu Arte-Educação na Universidade Católica de Petrópolis, idealizou e organizou o caderno Música para o Ensino Fundamental, da Fundação Roberto Marinho, em 2012, e já lançou três livros pela Booklink: Música e saúde mental, O bebê e a música e Educação musical.

Serviço – José Henrique para Crianças
Datas: 12 e 13 de agosto (sábado e domingo)
Horário: 16h
Local: Teatro Café Pequeno – Av. Ataulfo de Paiva, 269 – Leblon. Tel: (21) 2294-4480
Ingressos: R$ 40,00 inteira; R$ 20,00 meia-entrada e crianças
Direção musical: Lui Coimbra
Cenografia: Susana Lacevitz
Cenografia: Susana Lacevitz
Dramatização - Marcia Valença
Voz e violão – José Henrique Nogueira
Violão, violoncelo e charanga – Lui Coimbra
Teclado e acordeão – David Willian
Percussão – Naife Simões

________________________________

Flores D’água Contadoras de Histórias 

Peça brincante e poética que trata da importância da água com trava línguas e canções populares.







 Flores D’água Contadoras de Histórias estará no Centro de Referência da Música Carioca Arthur da Távola no dia 20 de agosto ás 16h dentro da programação do MAMI Movimento Artístico e Musical para Infância, com histórias que homenageiam nossa mãe natureza. 

O espetáculo prioriza a brincadeira e o encontro através de uma linguagem narrativa, corporal e musical para todas as idades sensibilizando através da música, imagens visuais, divertindo e trazendo questionamentos sobre a relação da humanidade com a natureza.
Idealizado pela atriz Paulinha Cavalcanti e dirigido por Anderson Barreto, o espetáculo traz canções e cantigas populares que conduzem a cena, com humor, beleza e claro, histórias de flores d’água – vitória régia, flor de lótus- em integração direta com púbico. Nessa sessão, Paulinha é acompanhada pela musicista Isadora Scheer na Viola e na percussão.

O público se envolve durante toda a apresentação participando de brincadeiras, trava-línguas e canções brasileiras desde Chiquinha Gonzaga, canções populares, até composições próprias da atriz. O cenário trás elementos da cultura ribeirinha como o balde e a bacia para lavar roupa, tecidos coloridos e a saia da atriz se transformam nas personagens e objetos da narrativa, em um espetáculo que trata da importância da preservação da água, de maneira leve e divertida.

O Flores D’água Contadoras de Histórias estreou em outubro de 2016 no Teatro Municipal Serrado onde esteve um mês em temporada,já com seu CD Flores D’água Contadoras de Histórias gravado com músicas e histórias do espetáculo projeto realizado no Estúdio 3 do Centro de Referência da Música Carioca Arthur da Távola. Em sua trajetória ainda recente o espetáculo esteve também na escola Municipal Duque de Caxias, no Centro de Referência da Música Carioca Arthur da Távola, no Parque das Ruínas, na Casa de Baco, no Teatro Municipal Café Pequeno etc.

“Lindo trabalho. Delicado. Sutil. Teatro Artesanal. Jogo de imaginação. Cantigas doces e nossas. Um afago nos sentidos das nossas crianças. Obrigada Paulinha e equipe pela tarde especialíssima!”
Fala de Ana Paula Bouzas – atriz, bailarina e professora de teatro após uma sessão do espetáculo.
Ficha técnica:
Direção: Anderson Barreto
Elenco: Paulinha Cavalcanti
Musicista: Isadora Scheer
Iluminação: Ana Paula Brasil
Produção: Hitawa Nukini
Fotos: Alex Gaudêncio

Serviço
Flores D’água Contadoras de Histórias
Projeto Domingo das Crianças
Horário: 16h00
Ingressos: R$ 20,00 (Inteira) / R$ 10,00 (meia entrada conforme legislação vigente)
Crianças de até 02 anos não pagam
Realização MAMI - Movimento Artístico e Musical para a Infância
Local: CMRMC – Centro Municipal de Referência da Música Carioca
Av. Conde de Bonfim, 824. Tijuca. Rio de Janeiro.
Telefone: (21) 32383831
Realização MAMI - Movimento Artístico e Musical para a Infância 





___________________________________________________



Agenda Cultural RJ - Divulgação Cultural - Colagem de Cartazes e Distribuição de Filipetas. Divulgação de Mídia Online. Gabriele Nery - Produção e Promoções de Eventos Culturais agendaculturalrj@gmail.com #agendaculturalrj

____________________________________________________

Livro infantil retrata de maneira divertida a hiperatividade

Abordar de forma leve, afetuosa e divertida as principais características das crianças com Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH). Essa é a proposta do livro infantil “João Agitadão”, da escritora e psicóloga Lia de Paula Moraes.

A obra conta a história de um menino muito agitado chamado João. O personagem gosta muito de correr, não consegue ficar quieto e ainda tem uma capacidade incrível para se distrair com qualquer coisa. Todas as características de alguém com TDAH. Por conta do seu jeito elétrico e estabanado, ele passa por problemas com professores, nos locais por onde anda e até com os coleguinhas da rua na hora da brincadeira.

- A ideia principal é que a criança hiperativa ao conhecer o personagem se identifique com ele e isso contribua para formar uma autoimagem mais positiva – diz a autora.

A escritora conta que a inspiração veio de suas experiências pessoais e na carreira desde quando o TDAH tinha pouca divulgação nos meios de comunicação e entre as famílias. Em casa, por exemplo, ela teve de lidar com a hiperatividade do filho mais velho, hoje um publicitário bem-sucedido. No trabalho, ela atendia muitas crianças com TDAH num posto de saúde da rede pública.

Para facilitar o atendimento das crianças com o transtorno, a autora escreveu o texto que lia para elas e depois pedia que fizessem um desenho sobre a história. Isso as ajudava a falarem sobre si mesmas. Com o tempo, percebeu o valor terapêutico do texto e surgiu a ideia do livro "João Agitadão".

- A linda ilustração do publicitário Ney Megale tornou o livro atraente também para as crianças sem sinal de hiperatividade, que vão entender e aceitar mais os colegas desatentos e agitados - conclui.

Sobre a autora
Lia de Paula Moraes é Psicóloga clínica, formada pela PUC-Rio e aposentada pelo Ministério da Saúde.


Ficha técnica
Título: João Agitadão
Autor: Lia de Paula Moraes
Ilustrações: Ney Megale
Tamanho:  27,50cm X20.50cm
Páginas: 26
ISBN 978-85-89862-32-5
Preço: R$28,00
Editora: Caravansarai
Links para comprar:
www.livrariacultura.com.br/p/joao-agitadao-9048540
www.saraiva.com.br/joao-agitadao-3093514.html

Agenda Cultural RJ - Divulgação Cultural - Colagem de Cartazes e Distribuição de Filipetas. Divulgação de Mídia Online. Gabriele Nery - Produção e Promoções de Eventos Culturais agendaculturalrj@gmail.com #agendaculturalrj
______________________________________________________


Agenda Cultural RJ - Divulgação Cultural - Colagem de Cartazes e Distribuição de Filipetas. Divulgação de Mídia Online. Gabriele Nery - Produção e Promoções de Eventos Culturais agendaculturalrj@gmail.com #agendaculturalrj

  Instagram

________________________________________________________________

Digite aqui o seu e-mail e passe a receber a programação cultural GRATUITA do Rio de Janeiro

Minha lista de blogs